VitóriaKachar.jpg

TRABALHOS

Série “Paisagens”

Nessa série “Paisagens” parto de sobras de recortes, separo por cor e recorto com estile novas formas orgânicas para compor um cenário por meio de camadas ascendentes que se sobrepõem umas nas outras. Experimento pintar com a colagem.

Entre peles e vestígios - 2022

Colagem com recortes orgânicos das revistas de 1970 National Geographic em camadas ascendentes s/ papel aquarela canson 300gr, 50x65 cm.

Sem Título - 2021

Colagem com recortes de revistas e livros em camadas ascendentes sobre papel 180gr, 50x65 cm.

Sem Título - 2021

Colagem com recortes de revistas e livros em camadas ascendentes sobre papel 220gr, 28x36 cm.

Série “Entrelinhas”

Nessa série continuo a investigação da sobreposição e transparência. São duas folhas na composição, uma com a linha do nanquim e outra com a cor que tenta se esconder, mas se faz presente. Estão unidas pelo bordado.

Sem Título - 2021

Desenho com caneta nanquim, lápis de cor e bordado sobre duas folhas de papel manteiga 40gr, 29,7x21 cm.

Série “Transitória”

Nessa série investigo a materialidade do papel manteiga na sobreposição, transparência, luz e sombra. A narrativa se constrói no gesto de recorte com o estile e na abundância de camadas ascendentes.

Sem título - 2021

Colagem sobre papel washi (90gr) e camadas com washi (40gr), imagem recortada de livro e bordado com linha vermelha sobre papel aquarela 300gr, 25x20 cm

Travessia - 2022

Colagem com papel manteiga sobre papel manteiga (40g), imagem retirada de livro e bordado de contorno com linha vermelha, 50x65 cm.

 

MINI BIO

Vitória Kachar, nascida em São Vicente, 30 de setembro de 1958, vive em São Paulo desde 1986. Com formação em psicologia, mestre e doutora em educação, atuou em docência, pesquisa e gestão, onde suas atividades contemplavam atravessamentos pela arte visuais nos vários projetos que coordenou como semanas culturais, saraus e atividades pedagógicas. Desde 2006 participa de cursos de artes em diversas instituições como Escola Panamericana, ABRA, Escola de Comunicação da USP, Tomie Ohtake, Instituto Adelina, A Casa Tombada e se envolve em produção de obras com argila em ateliês de ceramistas. Em 2019, passa a se dedicar exclusivamente as artes visuais, estruturando o seu ateliê para imersão nesse universo. Fez acompanhamento de poética e colagem de mundos com Renata Cruz (Tomie Ohtake); orientação de portfólio com Julia Lima e Bruno Novaes e também com Nancy Betts e Márcio Harum (Galeria Tato) e imersão poética com Renato de Cara (Gare Cultural). Atualmente, integra grupos de estudos e acompanhamento de artistas com Marcelo Salles (Casa Contemporânea) e Paulo Galina (Ateliê da Ale).