Telma Gadelha.jpg

Paisagem Obrigatória

 

 

Vivo no Rio de Janeiro e trabalho com pintura. A paisagem urbana tornou-se para mim motivo de inspiração, com ênfase em quadros noturnos. Dessa pesquisa nasceu a série Paisagem Obrigatória. São pinturas que retratam a paisagem urbana vista do automóvel durante o deslocamento. Passamos boa parte de nossas vidas em meios de transporte, num mundo provisório e efêmero de individualidade solitária. São trabalhos feitos com paleta contrastada desvelando as luzes dos engarrafamentos, a convulsão da cidade. 

É ainda possível falar da paisagem quando tudo tornou-se visível demais? Quando a mídia parece querer transformar o mundo em imagens, multiplicando-as ao infinito, o problema está precisamente em apreciar a beleza do vago e indeterminado, o que escapa à expressão. A única maneira de pintar a cidade seria falar do detalhe, buscar imagens de leveza. Transformar tudo em luz.

 

MINI BIO

 

Natural de Salvador, Bahia. Formada em medicina pela Univ. Federal do Ceará. Professora e pesquisadora da Faculdade de Medicina da UFRJ de 1995 a 2014. Desde os anos 2000 vem desenvolvendo interesse paralelo em artes visuais. Frequentou vários cursos de desenho, pintura e teoria da arte na Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Em 2009, por ocasião de um pós- doutourado em Barcelona cursou uma formação em pintura na Escola Massana. Em 2014/15 participou do grupo de estudos do professor Charles Watson no Ateliê Mundo Novo e do workshop “Procedência & Propriedade”. De 2015 a 2021 frequenta o grupo teórico-prático do professor Frederico Carvalho no ateliê do Rio Comprido. Em 2018/19 frequentou o curso “Questões prático-teóricas da pintura na contemporaneidade”, profs. Luiz Ernesto e Bruno Miguel na EAV do Parque Lage. No primeiro semestre de 2019 frequentou o curso “Imersões Poéticas” da Escola Sem Sítio. De 2017 a 2021 faz acompanhamento de portifólio (teórico/prático) com o professor Claudio Tobinaga. Desde 2014 se dedica mais especificamente à pintura, sobretudo óleo sobre tela, com ateliê na fábrica Bhering, Rio de Janeiro.