Taly Cohen.jpg

TALY COHEN, São Paulo

Escultura

Artista plástica Taly Cohen cria série "Janelas de Quarentena”, que discute pandemia nas grandes metrópoles.

 

Meses de cárcere sem aviso prévio, um inimigo invisível sempre a espreita; o isolamento total do mundo exterior convive de mãos dadas com a certeza de que o cárcere, apesar de sufocar, é a única chance de sobrevivência. Nesse cenário típico da narrativa Kafkiana, a artista plástica, Taly Cohen, desenvolveu a série “Janelas de Quarentena”, a sua leitura da pandemia nas grandes cidades. 

 

A falta de espaços e a aglomeração natural da metrópole, gerou na artista a curiosidade de pesquisar sobre a vida das pessoas nas cidades grandes antes e durante a pandemia, com foco nas privações que as populações vivem. Em seus questionamentos, buscou comparar a vida em áreas menos densas com o dia a dia em cidades verticais. Todo esse processo provocou na artista uma necessidade catártica de humanizar a realidade da metrópole com sua arte.  

 

“A experiência de cárcere foi intensa e definitiva para o desenvolvimento da minha nova série composta por instalações emolduradas, montadas com rede de polietileno e fitas de cetim. Até o início da pandemia, meu foco era a pintura. No momento em que entramos em quarentena, a falta de liberdade me gerou a necessidade de criar em espaços mais amplos”, afirma a artista. “Do meu apartamento, o céu, dentro da minha janela, era sinônimo de amplitude. Em um transe criativo de cinco horas, encontrei metros de fita de cetim e ‘bordei’ a janela, como uma forma de reinventar o espaço da cidade, oferecendo ao espectador esperança em dias tão obscuros!”

 

A instalação no apartamento da artista foi o primeiro passo para a criação da série, que seguiu a mesma lógica do ‘bordado na janela’: a reinvenção do espaço urbano em tempos de pandemia. As obras foram desenvolvidas em chassis de madeira com telas de polietileno e fitas de cetim, que desenham o intervalo. “Cada obra que compõe a série, representa uma janela com todos os significados que ela pode oferecer: esperança, perspectiva, um novo dia, um começo, uma saída,”, explica Cohen. 

 

 

A artista Taly Cohen trabalha e vive em São Paulo.

Já participou de importantes exposições como o X Salão Paulista de Arte Contemporânea, Projeto Galerias (Funarte), Anual de Artes (Faap), ArtSoul, SpArte, Coletiva na White Porch Gallery em Miami, entre outras.

Foi citada na revista americana Forbes e no site Artnet pela empresária Paris Hilton, como uma das artistas pertencentes a sua seleta Coleção de Arte.

Representação em Nova Iorque (Chase Contemporary).

https://www.forbes.com/sites/nadjasayej/2020/08/13/a-chat-with-paris-hilton-about-her-new-pop-art-paintings/?sh=4d8094132dba

(Texto extraído do portfólio do artista)

 

Observação da organização:

Os trabalhos expostos na exposição virtual, podem sofrer alterações de tamanho para não ficarem prejudicados a visualização pela web.