Roberta Cani.jpg

Natural do Rio de Janeiro, onde reside e trabalha, Roberta é artista visual, apaixonada por cinema e fotografia, duas de suas maiores influências acrescidas de sua vivência como educadora física e professora de yoga, partindo desse princípio, transporta essa bagagem aos sentidos pictóricos. Um processo contínuo, de observação e captura de momentos únicos percebidos.
 

Seu interesse é por cenas do cotidiano, seja em espaços urbanos ou ambientes atraentes em suas questões estéticas, podendo ser um canto qualquer, em qualquer lugar. Através de imagens autorais ou apropriando-se de cenas em movimento ou passageiras, vai direcionando sua pesquisa e estabelecendo uma linha de pensamento na intenção de organizar seus processos.
 

De temperamento dinâmico e inquieto, não limita sua produção pictórica somente ao figurativo e transita na abstração, onde tudo começou. Para isso, utiliza pigmento natural além da tinta como matéria solida na construção das sua obras. Objetiva, se detém apenas ao que interessa naquele instante, criando assim, sua própria iconografia.
 

Sua motivação está na construção de uma imagem permanente à partir de um processo fragmentário. Aquele momento torna-se único ao materializar-se sob a sua ótica, permitindo ao espectador que incorpore suas próprias emoções, propondo um exercício de memória afetiva, somados às suas próprias.

___

A artista utiliza a pintura e a fotografia como principais linguagens para se expressar e desenvolver sua narrativa. Seu olhar reflete suas impressões que leva de cada canto, de cada esquina, da arquitetura e da gente da cidade. A partir desse instante transforma em recortes tudo que fica impregnado em sua retina, percebendo a potência, destacando o sentido de sua p cura: viver buscando vida. Parte das obras aqui expostas foi produzida durante essa pandemia, e nelas se traduzem o anseio da artista de se colocar em movimento perante o inevitável confinamento.

A mostra convida o espectador a absorver a poesia visual da artista e refletir sobre a vida nas grandes cidades e suas influências no nosso comportamento e cotidiano.

Aqui, Roberta Cani apresenta trabalhos que demonstram sua preocupação em encontrar momentos plenos de se guardar na memória, sejam por sua beleza ou atmosfera, e que, mesmo em meio ao caos urbano, esses momentos se fazem

presentes, dependendo da forma como o espectador debruça seu

olhar.

Nos Olhos De Quem Vē.
 

Carlos Bertão Fevereiro/2021