MilenaBrichesimontagem.jpg

TRABALHOS

Cortar, colar, sobrepor-se e harmonizar cores ... Isso é algo que eu faço com minhas técnicas e meus instintos, sempre tentando alcançar uma dimensão lúdica. Como um mecanismo criativo eu sempre escolho um tema e figura trabalho uma interação com outros recortes, usando formas e cores para contar uma história. É divertido para mim saber que há uma interpretação fixa para o que eu faço, sabendo que meus pensamentos criativos não impedem outros de fazer a sua própria jornada pessoal no meu trabalho.

 

Roda - colagem

Recortes de Revistas Antigas. 297x210cm.

Balanço - colagem

Recortes de Revistas Antigas. 297x210cm. 

 

Flor da pele - colagem

Recortes de revistas antigas. 297x210cm.

 

Lágrima - colagem

Recortes de revistas antigas. 297x210cm.

MINI BIO

Sempre fui apaixonada por colagens deste a infância. Lembro de “roubar” as revistas e livros antigos de minha mãe e traze-los para as brincadeiras com as bonecas de papel, cadernos de colorir e figurinhas. Comecei a explorar a colagem assim, pensando nas possibilidades e somas para as incrementar meu universo lúdico. Me formei em artes plásticas pela Faculdade de Belas Artes de São Paulo e nesse período me dediquei e aprofundei meus estudos em fotografia e desenho a mão livre.

A fotografia e o desenho são elementos, Instrumentos e ferramentas que hoje somam ao meu processo criativo.

Trago como inspirações e referências muitos artistas: Eduardo Recife, Sammy Slabbinck, Hannch Hoch, Georges Hugnet, são nomes que me influenciam até hoje. Também gosto muito de coisas mais experimentais como Fred Free e do dadaísta Raoul Hausmann, entre outros Meu trabalho é guiado por colagens analógicas e desenhos, mesclando técnicas com revistas, jornais, pintura, desenho e fotografia.  Minhas obras tem uma estética peculiar e é notável a forte relação entre minha poesia visual e o meu desejo em convidar o espectador a fazer sua própria jornada pessoal no meu trabalho.

Pra mim arte é terapêutica. Acesso universos paralelos quando estou no processo e me sinto transformada e transformadora.

Trago comigo um mecanismo criativo, onde sempre escolho um tema e figura como ponto de partida. Proponho interação com outros recortes, formas e cores para contar uma história. Busco elementos relacionados com o conceito ou composição gráfica da obra. Gosto de começar de forma mais livre, assim fico mais a vontade e vou tendo ideias no decorrer do processo. Algumas vezes tenho a sensação de que a obra fala comigo e vou fazendo combinações que complementam até chegar ao todo. Mais do que concentrar-me em criar significados ocultos sobre o tema ou composição que estou produzindo, busco harmonia na  junção de elementos que me agradem.