Maria FernandaLopes.jpg

MARIA FERNANDA LOPES, São Paulo

Fotografia

Sobre o trabalho:

Este trabalho, uma série de foto performances, consiste em uma tentativa de lidar com o tempo. Faz parte de um desdobramento de uma pesquisa maior, que também venho desenvolvendo no doutorado (Comunicação e Semiótica na PUC-SP). É mais uma tentativa de elaborar antiga questão: o descompasso de medidas entre o tempo cronológico e o tempo subjetivo, chamados de Chronos e Kairós, pelos gregos. 

 

Bio 

Maria Fernanda Lopes (1988, Ourinhos-SP, Brasil). Vive e trabalha em São Paulo, é artista e pesquisadora, mestre e doutoranda em comunicação e semiótica pela PUC-SP. Em sua investigação, tanto artística quanto acadêmica, procura se valer de desvios enquanto tática criativa para extrair possibilidades de entendimento que extrapolam o preordenado. Na prática artística utiliza variadas linguagens como desenho, monotipias, vídeo, foto e performance. Trabalha por meio de deslocamentos de elementos básicos do desenho como pontos, linhas e planos e da funcionalidade de materiais e objetos cotidianos, colocando em convivência corpo, espaço e matéria.  

 

CV resumido

Realizou as exposições individuais “Uma coisa são outras coisas”, na OAB (2016), e “Uma coisa são várias Coisas”, no Negro Café (2016), Risco 1.0 no VÀO - Espaço de Arte (2018) em São Paulo. Participou de coletivas como “Afetos em Paisagem”, Casa Galeria, São Paulo (2020); 16º Salão Nacional de Guarulhos (2020); “Feito aqui”, Universidade Presbiteriana Mackenzie (online, 2020); “no dia primeiro no nono andar”, na Galeria LAMB Arts, São Paulo (2019); “Becoming”, na Bienal de Arquitetura de Veneza, Pavilhão da Espanha (2018); “O trem o vão e a plataforma”, no VÃO Espaço Independente de Arte,  São Paulo (2018); “Mirante”, na Oficina Cultural Oswald de Andrade, São Paulo (2017); “Finarte”, Festival Internacional de Artes Gráficas, na Faculdade Santa Marcelina, São Paulo, (2019); “Multigraphias”, residência na Universidade Federal de Integração Latino Americana (UNILA), Foz do Iguaçu (2017); “Festival de performance de Berlim”, Alemanha (2013); participou do projeto “MOR - Museo Oral de la Revolución”, no Museu de Arte Contemporânea de Barcelona (MACBA), Espanha (2013).
 

(Texto extraído do portfólio da artista)

 

Observação da organização:

Os trabalhos expostos na exposição virtual, podem sofrer alterações de tamanho para não ficarem prejudicados a visualização pela web.