Marcello Rocha.jpg

SOBRE

O objeto de pesquisa principal em "Manobras Escusas" é o ser contemporâneo, com foco nas questões existencialistas profundas ou substanciais do cotidiano, as contradições e as relações dos indivíduos enquanto sociedade. 

São recorrentes as questões como pré conceitos, exclusão, ausência e invisibilidade social, os malabarismos necessários do indivíduo nas relações sociais e políticas de convívio em meio ao espaço urbano, no caso, a própria cidade como lugar. 

O trabalho se deu início com uma reflexão sobre o "lugar de fala" e do momento em que a retórica perde potência, no sentido daqueles que não se enquadram em questões plenamente defendidas quando se trata de minorias em situações excludentes. A intenção é conduzir o indivíduo de encontro à realidade circundante, atribuir diferentes significados, outro olhar representados por símbolos cotidianos e de identidade cultural ou afetiva. 

Existe uma personagem principal e não se sabe exatamente qual a sua função social. Ela pode se encontrar em uma posição de privilégio, ou não, essa definição independe da sua etnia, que pode ser explicitamente definida como uma pessoa preta, ou branca, até mesmo, e principalmente, mestiça. O mesmo, convém ressaltar, no que tange o seu gênero, quanto a isso cabe ao espectador essa interpretação. 

 

MINI BIO

Natural do Rio de Janeiro, 51 anos, com gosto pelo desenho, pelas formas e cores, e em função dessa paixão, iniciei os estudos na fotografia no início da década de 1990. Meu desejo sempre foi aperfeiçoar uma forma própria de expressão buscando uma narrativa coerente com a minha realidade. A partir de 2001, iniciei minha pesquisa na pintura.

 

Meu interesse é pelo ser contemporâneo e suas questões possíveis, enquanto figuras. Da busca por novas representações sobre valores humanos, sem levantar bandeiras. interpretar atitudes sociais e as conferir outros significados em diferentes contextos. Proponho resultados imagéticos utilizando o desenho, a pintura e a fotografia como protagonistas nas relações, que dialoguem com o passado, entretanto, que sejam atemporais, resultando em outra visão de mundo, contemporânea.