Luiza Camisassa.jpg

[PESO]

 

No livro parque das ruínas_ a autora Marília Garcia coloca “O poema no tubo de ensaio”. A autora apresenta poemas que são um experimento: eles testam, sobretudo, o limite entre poema e ensaio. Oqueéumpoema?Oqueéumensaio?Qualéafronteiraentreeles?Existefronteira?Oprojeto[PESO] consiste, em suma, em pensar e testar o limite do desenho. Partindo do pressuposto que o desenho nada mais é que o próprio gesto, Luiza Camisassa faz, nessa série de desenhos, sete experimentos com o seu próprio peso com o intuito de testar em última ou primeira instância o desenho. 

A artista escolheu a palavra peso e, a partir da palavra, criou desenhos que demandaram de todo o seu corpo. Depois de terminada a ideia-desenho, ela foi até um mirante, na Serra do Rola Moça—MG, para fotografar os desenhos expostos ao tempo: sol, secura, vento, estrada, minério de ferro. Um desenho que é para ser lido por quem vê: O que é desenho? O que é corpo? Qual é o peso do corpo? Qual é o peso do desenho? Que corpo é esse que apresenta o desenho? Como ela chegou nesse trabalho? 

Durante sete dias, antes de levantar da cama, ela molhou os pés numa bandeja com água e “vestiu” um papel apergaminhado amassado. Foram sete desenhos-rasgos diferentes, fotografados individualmente e posteriormente num varal. O resultado do desenho é quase o contrário da palavra peso e, segundo a artista, peso também pode ser entendido através do que ele não é. Os desenhos foram redesenhados pelo vento, pela luz e pela paisagem. Eles tomaram outras formas, volumes e sombras e os rasgos reve- lam pedaços de paisagem ou corpo através do papel. O teste do peso habita a fronteira do desenho. 

 

 

MINI BIO

 

Luiza Camisassa é Bacharela em Engenharia Ambiental, Pós Graduada em Gestão de Projetos, pela Fundação Dom Cabral e, desde 2018, graduanda no curso de Artes Plásticas pela Escola Guignard da Universidade do Estado de Minas Gerais. Fez parte, durante dois anos, do Ateliê Linha-Cria conduzido pela artista Julia Panadés. Engendrada também no campo da palavra, participou durante quase quatro anos de um ateliê de escrita no espaço Estratégias Narrativas, conduzido pela escritora Laura Cohen e fez oficinas de escrita com Flávia Péret, Júlia de Carvalho Hansen, Eliza Caetano e Júlia Arantes. Luiza é autora do livro coração à larga, vencedor do concurso Poesia inCrível da Crivo Editorial e publicado no primeiro semestre de 2021. Já publicou textos na à Revista Literária e na Ruído Manifesto. Recebeu bolsa integral para cursar um semestre do curso de Artes Plásticas na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, Portugal, interrompida devido a pandemia. 

Desde o princípio do curso de Artes Plásticas o processo criativo da artista gira em torno do gesto e a repetição do gesto como um início. Amassar e moldar a argila, rasgar e remendar o papel, ficar horas fazendo as mesmas pequenas texturas com grafite. A repetição do gesto que gera uma forma que não se repete, porque o gesto, por mais que seja repetido, nunca é absolutamente idêntico, e essa forma gerada carrega em si a possibilidade de suscitar outras formas, meio iguais, meio diferentes. Segundo Deleuze, “É na linguagem, no seio da linguagem, que o espírito capta o corpo, os gestos do corpo, como objeto de uma repetição fundamental. É a diferença que dá a ver e que multiplica os corpos; mas é a repetição que dá a falar e que autentifica o múltiplo, que dele faz acontecimento espiritual.” Partindo desse pressuposto, a artista acredita na autenticação do múltiplo através da repetição dos gestos; utilizar a repetição como início, como o ovo ou como o embrião, onde tudo começa e começa do novo infinitas vezes. 

Luiza utiliza o trabalho de várixs artistas e escritorxs no seu processo criativo, entre elxs: Ana Cristina César, Anna Maria Maiolino, Anne Marie Laureys, Batsheva Dance Company, Clarice Lispector, Flávia Péret, Grace Passô, Grupo Corpo, Hilda Hilst, Ingeborg Bachmann, Júlia de Carvalho Hansen, Julia Panadés, Kazuo Ohno, Louise Bourgeois, Lygia Clarck, Lygia Pape, Marília Garcia, Morgan O’hara, Solange Pessoa, Sophie Calle, Tatiana Blass, Tony Orrico, Trisha Brown, Vivian Maier, Wislawa Symborska...