JONATHAN HOLDORF

SOBRE O TRABALHO

A percepção visual é influenciada diretamente pelas experiências vividas e pela bagagem cultural de cada ser humano desde o seu nascimento, assim como a ilusão, descrita por Tacca (2005, p. 12) como “um fenômeno perceptivo provocado pela interpretação psicológica e cultural da representação”. Ou seja, na visualização de uma imagem há a interpretação dos indivíduos (emissor e receptor) no momento da criação e leitura de uma fotografia, sendo esta interpretação o tema de estudo neste trabalho. O emissor cria o trabalho de acordo com as suas experiências e o receptor interpreta o resultado final da sua maneira. Por isso a importância da ilusão na fotografia, que é visual e depende dos aspectos culturais e fisiológicos para a sua compressão.

A partir disso, é importante considerar sobre qual gênero fotográfico pretende-se inseri-lo. O produto final apresenta uma elaboração estética que transita pelas correntes da arte e da fotografia documental contemporânea. E, a partir dos conceitos de fotografia expandida, que aborda os processos, resulta em imagens extremamente originais com manipulação de imagens em softwares digitais.

 

Por vezes a ficção é vista como fotografia direta, outras a fotografia de paisagem é tida como ficção. Assim, por verossimilhança, a percepção confunde ficção e realidade.

Foi através da observação e manipulação de líquidos com densidades variáveis, aliado a técnica fotográfica, que as pequenas janelas se abriram, questionando a bagagem cultural como referência para o processo de fruição. Acaso e controle se fundem na criação das “paisagens flutuantes”, e convocam o leitor a pensar a imagem e a arte na atualidade.

MINI BIO

Tecnólogo em Fotografia pela Universidade do Itajaí, trabalha com fotografia artística contemporânea. Foi estagiário na empresa Duo Arte & Produção, que fomenta a arte-educação. Representado por galerias de arte, faz projetos para decoração e colecionadores. Atua no meio artístico, estudando a fotografia como ficção e criando imagens que questionam a verossimilhança da imagem. Desenvolve cursos presenciais e online sobre fotografia: “Descubra o Seu Estilo” e “Universo de Bolso”; participa de workshops, cursos de formação em fotografia e consultoria individual com a curadora Lucila Horn para desenvolver o seu conhecimento.

Eu gosto de imaginar o mundo como se ele fosse quase inalcançável; como se as paisagens estivessem em outra dimensão e suas histórias fossem contadas através de janelas penduradas na parede. Você vê o mar, escuta suas ondas, mas não pode tocá-lo. Ele está ali, mas ao mesmo tempo não está. A verdade que enxergamos é limitada, superficial. Há muito mais nos detalhes do que o que os nossos olhos podem vislumbrar. Meu propósito é ligar o microscópio e desvendar os mistérios do que está escondido; da dança das cores; do que vemos no dia a dia, mas nunca percebemos. Com a fotografia, levo o expectador para lugares impressionantes, para mundos quase-alienígenas e desperto sentimentos de inquietação. Quero que as regras sejam quebradas e, ao mesmo tempo, sejam minhas companheiras em cada história contada. Quero que você embarque comigo neste universo de imaginação!

 

  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle