Joana Martins.jpg

JOANA MARTINS, Rio de Janeiro

Colagem

JOANA MARTINS_MINI BIO:

Nascida em 1987 na cidade de Niterói, RJ, onde reside até hoje, se formou em Produção Cultural pela UFF em 2012, tendo atuado na cultura e no audiovisual por mais de 10 anos. Contudo, pode-se dizer que se tornou artista colagista somente em maio de 2020 em meio ao confinamento devido a pandemia e a um período dedicado ao autoconhecimento, encontrando na colagem manual uma paixão e uma forma de expressão.

A colagem se apresentou como uma forma de conexão consigo mesma e com o mundo. Desde então, criar se tornou uma constante, algo natural e necessário, desdobrando-se em caminhos até então nunca imaginados.

Após alguns meses decidiu se aventurar também nas colagens e artes digitais, buscando expandir as possibilidades de criação, mas é na colagem manual que Joana se encontra na expressão artística.

TEXTO SOBRE AS OBRAS:

Quando comecei a colar conhecia pouco ou quase nada sobre o universo da colagem. Nunca tinha feito isso na vida e senti como se escutasse um chamado para a criação, sendo essa uma etapa importante para desconstruir crenças que me limitavam. Ao longo do tempo fui pesquisando e conhecendo atuais e antigas referências inspiradoras, mas considero que ainda tenho a necessidade de filtrá-las e compreendê-las para que possam impactar positivamente no meu fazer artístico.

O livre criar é o que me guia na produção das colagens manuais. Utilizo papéis, revistas, tesoura, estilete e cola de maneira intuitiva, permitindo que os recortes se moldem e se encontrem. Por algumas vezes começo com uma intenção, mas ao longo do processo sou levada a outra solução do quebra-cabeça. Algo que não era esperado por mim se personifica no papel.

A maioria das minhas colagens revela um estado psicológico e, por muitas vezes, um pensamento sobre a feminilidade e o mundo que nos rodeia. Porém, as interpretações podem ser múltiplas. Adoro ouvir sobre as impressões variadas que elas causam. Assim como a criação é livre, a obra também deve ser.

Se apropriar de imagens de pessoas, lugares, paisagens, fragmentos e ressignificá-los: no papel, tudo me parece estar ao alcance das mãos.

(Texto extraído do portfólio da artista)

 

Observação da organização:

Os trabalhos expostos na exposição virtual, podem sofrer alterações de tamanho para não ficarem prejudicados a visualização pela web.