Grasielle Barbaresco.jpg

TRABALHOS
 

Extinção da memória I, 2021
cimento, resina, vidro, espelho, fotografia impressa em papel, 20x20 cm

Aqui o peso da memória se estabelece em análogo com o peso da obra. Um cubo foi formado com resina, espelhos, vidros e cimento. Cada escultura demonstra uma certa violência em sua aparência, e cria uma clausura para a memória. Esse trabalho é composto por três peças, todas possuem uma fotografia mergulhada no cimento, sendo que somente uma obra abriga uma foto original de minha infância, as outras foram reproduzidas de forma idêntica, criando a impossibilidade da descoberta.

A intenção é que essa fotografia original passe legitimamente pelo processo de extinção, sem que haja qualquer outra forma de acesso a essa lembrança em minha vida. A fotografia não pode ser vista em sua totalidade, ela se torna menos conhecida na superfície, só podendo ser imaginada com a parte faltante submersa.

Descoberta I, 2021
chapa de cobre, cimento, vidro, cetim, voil, 33x33 cm

Uma pequena escultura de vidro é descoberta, e se ilumina sucessivamente, de acordo com o rasgar de cada camada de tecido que a cobria.

Memória em cacos I, 2021 cimento, vidro, espelho, fotografia impressa em tecido, 40x40 cm

Esse estudo pretende experimentar uma série de 12 peças, em que cada caco de memória é encontrado e escavado após ser coberto por cimento.

Silêncio, 2021
vídeo de 1' de uma criança sentada de costas e em silêncio

 

MINI BIO
 

Meu trabalho pesquisa o último estágio da memória, a evocação, e todos os sentimentos relacionados a ela. Pensando em como as pulsões humanas são extremamente sensíveis aos primeiros acontecimentos, percorro lugares onde grande parte de nossas lembranças são formadas, como a infância e a adolescência, e me aprofundo nos graus emocionais recebidos e conservados.

Através de fotografias, vídeos, trabalhos escultóricos e instalativos, investigo fragmentos do consciente e do inconsciente para explorar as memórias de fácil acesso e as reprimidas. Em minhas obras, trabalho com camadas e sobreposições de diversos materiais, criando fragmentos e profundidades entre o que deixamos ser visto e o que queremos oculto.

A complexidade da evocação da memória me faz pensar que somos o que lembramos, mas também todos os traumas que escolhemos esquecer.



(informações retiradas do portfólio da artista)