MOSTRA NO RESERVA APRESENTA O CAMPO HARMÔNICO DE DEMPS

Com apoio da Eixo Arte Contemporânea, a Galeria Reserva Cultural  apresenta  mostra solo do artista visual e joalheiro demps. Sob o título Campo harmônico: composição #12 (“a beLa e Doce Soledade”) , demps apresenta  quatro objetos escultóricos e duas pinturas produzidos especialmente para a ocupação do espaço da galeria em Niterói.  Para Bianca Madruga, curadora da mostra, ”Os gestos, procedimentos e materiais  vão se contaminando , tocando-se como já previsto em seu destino... Parte-se da palavra a estudos sonoros que migram para desenhos e, finalmente, acontecem como escultura e pintura. É como um jogo de traduções”, diz ela. A mostrará estará aberta ao publico a partir do dia 7, sábado, às 19hs e ficará em exposição até 19 de setembro. Pede-se o uso de máscara, distanciamento e máximo de 4 pessoas no espaço.
 

GALERIA RESERVA CULTURAL

Rua Visconde do Rio Branco, 880

Gragoatá

Niteroi/Rio de Janeiro

 

Horárjos:

Terça a domingo, das 12 às 22h
Até 19 de setembro


TEXTO CURATORIAL
 

Em campo harmônico: composição #12 (“a beLa e Doce Soledade”)  demps produz uma série

de objetos escultóricos e pinturas concebidos sobre a ideia de campo harmônico. Há uma

espécie de insistência quase obcecada em seu trabalho. São práticas de longa duração,

exercícios exaustivos, gestos muito longos, que dão corpo ao que se produz. Para esta prática

de “a beLa e Doce Soledade”, parte-se da palavra a estudos sonoros que migram para

desenhos e, finalmente, acontecem como escultura e pintura. É como um jogo de traduções.

São os próprios objetos, feitos com a soldagem de ferro fundido em aço inoxidável, que geram

as pinturas, resultado da escória incandescente – é preciso ter atenção a todos esses

significantes. Mas além da construção de espaços por esses entrecruzamentos, há algo

também de silencioso n’ “a beLa e Doce Soledade”. Aqui todas as coisas pedem seu exercício,

pedem passagem. Os gestos, procedimentos, materiais vão se contaminando, tocando-se

(como já previsto em seu destino). As coisas se tocam. As coisas se tocam o tempo todo. As

coisas se tocam o tempo todo e guardam um certo direito ao mistério. Agora ouvimos essas

estruturas enquanto elas, em seus conjuntos, vão acumulando entre si algum futuro.

 

Bianca Madruga

Curadora

Minibio demps

Artista visual e joalheiro, demps tem graduação em relações internacionais pela Bennett e pós-graduação em ajuda humanitária e ao desenvolvimento pela PUC , onde fez também mestrado em artes e design. Sua formação artística inicial se deu em ateliês de pintura, escultura e joalheria, com posterior ingresso na Escola de Arte Visuais do Parque Lage, onde participou de diversos programas de formação e cursos livres oferecidos pela instituição. Em sua prática artística demps busca observar a relação entre o uso da linguagem e a constituição de corpos (assujeitados) a partir de uma proposta de embaçamento das fronteiras entre os campos da produção artística e dos processos rotineiros da vida, tema este que foi objeto de pesquisa em seu mestrado. Nos últimos anos, o artista se dedicou a realização de performances de longa duração, esculturas, desenhos, pinturas e à produção sonora e audiovisual, incluindo experimentação com programação e design de ambientes virtuais de jogo.