DANIELA VIGNOLI, Rio de Janeiro.

(conteúdo retirado do portfólio da artista)

 

COMUNHÃO

Índia, margens do sagrado rio Ganges, onde infinitos desejos são despejados diariamente há milhares e milhares de anos. País onde nascer mulher é considerado um infortúnio, onde saber o sexo do bebê ainda no ventre da mãe é proibido por lei para evitar o infanticídio. Mais de 10 milhões de bebês femininos foram assassinados nos últimos 20 anos.  Casamentos ainda são arranjados pela família, complementados pelo dote que, apesar de proibido, ainda é considerado e utilizado. Onde mulheres são proibidas de entrar em templos por serem consideradas impuras devido a menstruação. País com mais de um bilhão de habitantes, onde 48% são mulheres lutando por igualdade de gênero, mais do que em qualquer outro país no mundo.

Apesar de todos estes índices que comprovam uma sociedade completamente machista, desfrutei em delírio deste país, ao me deparar a todo momento com inúmeros grupos de mulheres em total comunhão.  Mulheres que, unidas pela sororidade, se fazem muito mais fortes, onde a empatia e os laços de compaixão ultrapassam o sofrimento escondido debaixo de cada sari. Sem julgamentos, sem reivindicações, apenas em harmonia com o sagrado.

Trago aqui esta força e beleza interna, disfarçada em esfuziantes trajes coloridos, dressando corpos sofridos, em comunhão de fé e amor.

  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle