DanielAlvesmontagem.jpg

TRABALHOS

Arruda

Xilogravura em papel algodão. 30x20cm.

Uma das plantas simpáticas mais conhecidas na cultura brasileira, uma planta europeia, trouxe símbolos desde a invasão portuguesa. É usada em diversos tipos de espiritualidades diferentes, é usada para proteção contra energias negativas, banhos, benzimentos e também para proteção de ambiente. A planta como ramo solitário, é representado de forma quase científica, não fosse pela imprecisão dos traços, das cores e da forma geral.

 

Canela

Xilogravura em papel algodão. 20x30cm.

Se relaciona com a "magia azul", Júpiter e por consequência com prosperidade e boa fortuna. É também relacionada a Mercúrio (deus do comércio, da velocidade e da comunicação) por trazer rapidez e agilidade aos negócios. As folhas embora não seja de uso comum, são a planta ainda viva, na forma natural com toda sua potência mágica, culinária e medicinal.

 

Comigo Ninguém Pode

Xilogravura em papel algodão. 20x30cm.

A série Simpatia é baseada em plantas usadas em rituais populares e mandingas. A comigo-ninguém-pode apesar de tóxica, é muito usada na porta da casa ou do comércio, para evitar mau olhado, inveja e qualquer tipo de energia negativa. Tem relação com Ogum e Exú, relação com a guerra e a comunicação, a ponte entre mundos. O vermelho de Marte é a única cor da obra que se restringe a um canto.

 

Espada de São Jorge

Xilogravura em papel arroz. 30x20cm.

Espada de São Jorge é uma planta usada para combater mau olhado e inveja, é uma das plantas símbolo que são usadas na porta de residências. Nessa gravura, ela é rodeada também pelos símbolos do fogo e de áries, signos do ocultismo tradicional, relacionando a planta a guerra e a batalha, como o próprio santo que dá seu nome, um santo guerreiro, que no sincretismo, representa Ogum, o guerreiro. O vermelho é tom desta mesma energia que enaltece a força e a dureza da planta.

 

Hortelã

Xilogravura em papel algodão. 30x20cm.

Embora não seja uma planta brasileira, pelas qualidades medicinais, aromáticas e mágicas, acaba sendo usada de diversas formas. É relacionada a boa sorte, prosperidade, cura e ânimo em geral. Usada ainda hoje como expectorante e também para tratar os brônquios, também já foi utilizada em roma para tratar do estômago dos que comiam demais, e também pelos filhos de Yemanjá e Xangô. É cercada pelo movimento da poça d'água depois de uma chuva. Tem o símbolo do Sol e da água, aspectos aparentemente inversos quando olhamos para o ocultismo, mas que fazem o completo sentido quando falamos da planta e dos seus usos. O fundo simula o efeito da água quando uma gota cai, uma pequena gota que gera onda e movimento.

 

Sabugueiro

Xilogravura em papel arroz. 30x20cm.

Sabugueiro tem tantos usos medicinais como mágicos. As frutas são usadas para se tratar a febre, assim como as folhas eram usadas para reduzir calafrios. A tradição dita também que sempre que for tirar um galho da árvore, se deve pedir permissão, ou seu espírito persegue o galho, assombrando-o. Há também uma relação com a beleza e o amor, para fortalecer o amor de um casal, coloca-se uma flor fresca da árvore em um copo de cerveja que é dividido entre os dois. Os movimentos da moldura, fazem o caminho do vento entre os galhos, o que dá a permissão para pegar ou não o galho. Os símbolos de fogo, Vênus e o pentagrama, são relacionados ao espírito, ao amor e à proteção respectivamente. Símbolos clássicos do ocultismo tradicional.

 

MINI BIO

Gravador e artista visual de São Paulo, me ligo à xilogravura pela família nordestina, a conexão com o bordado vem pela mãe, que era costurava quando não trabalhava de diarista. A arte vem junto com o ocultismo e a magia, uma linguagem atrelada às questões sociais e a religiosidade popular. O trabalho se faz nas cores e no idealismo do design usando a religião e cultos pré-cristãos como objeto. No processo de cada trabalho as obras fazem parte ou são rituais e práticas mágicas.