Ana Rocha.jpg

ANA ROCHA, São Paulo

Pintura

SÉRIE RECONSTRUÇÃO

Os trabalhos apresentados neste portfólio são da Série Reconstrução. Essa série, toda em acrílica sobre tela e iniciada em 2020, trata da constante renovação que fazemos de nós mesmos durante toda a jornada. Uma sequência de desconstruções para posteriores Reconstruções, escolhendo e encaixando os “pedaços” da vida, em busca de um sentido. Um ciclo que se perpetua conforme vamos nos superando e nos apoderando das nossas melhores versões, dos nossos melhores “pedaços”.

E foi dessa forma, brincando com o Abstracionismo Geométrico, que encontrei uma maneira de unir a Arte aos meus estudos em Filosofia. O intuito da minha obra é ressaltar a importância para todo e qualquer ser humano de experienciar um processo de autoconhecimento profundo e intenso, e, ao mesmo tempo, criar uma aproximação dos conceitos filosóficos clássicos, que sempre estiveram muito restritos aos estudiosos, com o público em geral.

É com base nisso, nesse aprofundamento em mim mesma e nessa inevitável conexão com a Filosofia, que minha arte toma forma e passa a fazer sentido em minha vida.

(Texto extraído do portfólio da artista)

BIOGRAFIA

 

Filosofia e Arte são universos que têm muitos elementos em comum. Ambos refletem a realidade em relação ao ser humano. Através de uma linguagem metafórica, abrangem também o mundo espiritual, as relações entre indivíduos e a sua interação com o mundo.

A artista Ana Rocha (1978), natural de Brasília, navega entre esses dois mundos. Autodidata, Ana começou seu percurso artístico em São Paulo, onde reside há mais de 20 anos. Sua iminente formação em Filosofia completa uma veia artística em que ela se utiliza do Abstracionismo Geométrico para expressar seus conceitos e pensamentos. A origem dessa linguagem é inspirada em uma memória afetiva. Sua mãe era professora universitária de Desenho Geométrico e Geometria Descritiva. E os trabalhos dos alunos encantaram a Ana menina. Uma influência definitiva em seu trabalho.

Outros elementos marcantes na obra de Ana Rocha são a coragem, a ousadia de buscar um processo de autoconhecimento cada vez mais profundo e a coerência para dizer “não” a padrões, a fórmulas prontas. Nas palavras da própria Ana, ela, que nunca coube nas “caixas”, se encontrou na Filosofia e na Arte, esferas que lhe mostraram o sentido da própria vida.

Suas obras, começam a ganhar espaço na web e em exposições que revelam ao mundo um trabalho artístico elaborado, intrigante e envolvente. Onde percebemos que linhas ascendentes e descendentes retratam nossa própria trajetória, com seus altos e baixos. A sucessão de tons, como as estações do ano, define o ritmo, a cadência, fazendo com que o observador se identifique com formas que contam sua própria história, sua vida.

Uma identificação que é a razão de ser dessa arte tão filosófica.

 

Observação da organização:

Os trabalhos expostos na exposição virtual, podem sofrer alterações de tamanho para não ficarem prejudicados a visualização pela web.

  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube